Na escola, no clube, na rua. Saber se relacionar com os outros é uma habilidade que deve estar presente na vida de cada um.

Criar bons relacionamentos é extremamente importante em diversas áreas da vida. Mas essa característica tem “invadido” um setor específico nos últimos anos: os negócios. E se por “negócios” entendemos o mercado de trabalho, é para lá que os alunos vão. Hoje, torna-se cada vez mais necessário trabalhar em grupo, compartilha ideais e se comprometer com as pessoas no ambiente de profissional.

O professor Claus Stobäus, da Faculdade de Educação da Pontífice Universidade Católica do Rio Grande do Sul, considera que as crianças deveriam aprender habilidades de relacionamento o mais cedo possível. Para ele, este é um trabalho que deve ser iniciado em casa, com os pais e continuado na escola. Contudo, deve-se ter muito cuidado ao tentar aplicar conceitos de marketing de relacionamento em escolas. “As crianças devem ser tratadas como crianças e não como clientes”, enfatiza o educador. Stobäus acrescenta que é preciso atentar para transmissão de valores de cidadania sem que eles estejam atrelados à ideia de consumo.

Eduardo Pezzuol, mestre em Marketing pela University of Westminster (Londres) afirma que em um mundo onde copiar produtos e estratégias é cada vez mais fácil, um bom relacionamento se torna uma vantagem em relação à concorrência, além de ser uma qualidade requerida em qualquer profissão.

 

Marketing comercial              X                  Marketing pessoal

MC: Um processo social por meio do qual pessoas obtêm aquilo que desejam e necessitam por meio de oferta e livre negociação com outros.

MP: A empresa não busca fazer negociações imediatas, mas constrói relacionamentos de longo prazo.

Uma vez que a função da escola é prepara seus estudantes para serem bons profissionais, como o marketing de relacionamento pode ser ensinado?

Desde os primeiros dias de aula, estabeleça uma espécie de contrato com os alunos. Nele, enfatize que agora eles pertencem a um grupo de trabalho e de amizade, por tanto, precisam cooperar e respeitar as diferenças.

Crie oportunidades constantes de trabalho de diversas formas, como por exemplo, grupos de meninas, grupos de meninos, grupos mistos ou mesmo formados pela letra do nome. É importante estabelecer a ideia de que é possível e necessário saber lidar com o outro.

Organize semanas, jornadas ou dias especiais para a realização de atividades que contribuam ou facilitem o relacionamento. O professor pode incluir, na sala de aula, conteúdos referenciais sobre o tema como leituras, trabalhos de pesquisa, análise de notícias, situações de vida familiar, social, escolar, religiosa e pessoal.

Incentive os alunos por meio de alguns princípios básicos apresentados em livros sobre relacionamento interpessoal.

A diretoria pode ligar para o aluno quando este faltar à aula e procurar saber o motivo da ausência, demonstrando interesse.

Utilize recursos do mundo digital em sala para promover o bom relacionamento, desta forma, os alunos podem perceber o quanto os meios podem ser usados para adquirir novos conhecimentos e se relacionar com os colegas.

Mas atenção! Há ressalvas. É preciso equilíbrios quando se trata de redes sociais. De acordo com a professora de Psicologia e Educação Gianete Meira, da Universidade Federal do Estado da Bahia, os meios de comunicação podem favorecer os processos de desenvolvimento integral desejável, pela possibilidade ampliar e diversificar as oportunidades de experiências. Mas também podem levar a uma visão mais limitada de mundo, restrita e irreal, inclusive com características de individualismo e tendências de isolamento.

 

Sabryna Ferreira é redatora da REA e estudante de Jornalismo do Unasp.