Mês: junho 2019

PERFIL: Erony Fernandes

Você conhece aquela história pregada a cada esquina de que o amor é o bem mais precioso que temos? Não à toa, ele também é pauta das histórias mais bonitas e filmes mais emocionantes. Talvez seja a motivação que precisemos diariamente e o fôlego que nos falta em meio a tanto egoísmo. Não será diferente dessa vez. A história de amor a seguir começa em 1986.

Ler mais

 

PERFIL: Cláudia Alves

Seguir o caminho do ensino nem sempre é uma decisão fácil, e o sonho de Claudia Alves nunca foi ser professora. A vida, porém, a surpreendeu, e hoje ela não se vê exercendo outra profissão.

Nascida em Governador Valadares (MG), em 1978, Claudia cresceu numa família pequena, de apenas dois membros: mãe e irmão caçula. Quando pequena, a letra bonita e bem desenhada chamava a atenção de todos. Consequentemente, lhe diziam que deveria ser professora quando crescesse.

Ler mais

 

PERFIL: Geanne Cabral

“Todos entenderam, captaram?” Essa é a pergunta que caracteriza as aulas da professora Geanne dos Santos Cabral Coe. Com sotaque carregado e personalidade extrovertida, ela não esconde em sala de aula sua raiz carioca. De origem simples, Geanne foi criada na Zona Oeste do Rio de Janeiro e morou durante a infância em uma rua que dava acesso a uma das favelas mais perigosas da cidade.

Ler mais

 

PERFIL: Marlene Chiaroti

Nascida em São Paulo, Marlene Chiaroti cresceu dentro das salas de aula de uma Escola Adventista, um período estudando e outro acompanhando a mãe, funcionária de uma unidade da rede. Desde pequena, sua função era auxiliar as docentes na correção dos cadernos e livros, colar atividades, rodar as provas no inveterado mimeógrafo, acompanhar os alunos no parque e biblioteca, nas aulas de Artes e Educação Física, entre outras tarefas.

Ler mais

 

PERFIL: Odiléia Lindquist

Naquela tarde quente de janeiro, em um cômodo repleto de bonecas, canetinhas, cadernetas e papeis de todos os tipos, três meninas enchiam de rabiscos todo espaço em branco que encontravam. Eram riscos que iam da direita para a esquerda, de cima para baixo e outras direções para representar letras, sílabas ou palavras. Risadas estridentes ecoavam pelos corredores da casa que, naquele momento, era para elas uma escolinha muito divertida. A brincadeira era regida naturalmente pela pequena Odiléia, que fazia questão de ser a professora daquela modesta classe. Havia um certo glamour em ensinar palavras novas e números muito divertidos para suas irmãs… Ah! Tanto ainda iria acontecer.

Ler mais

 

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén